Relato

Nesta última alta madrugada acordo com um terrível barulho de um casal brigando aqui na rua, com gritos dele: "OLHA PRA MIM! OLHA PRA MIM! OLHE PRA MIM! CONVERSE COMO MULHER, DE BOAAA! OLHA AQUI PRA MIM! NÃÃÃO! VENHA AQUI! OLHE PRA MIM! EU SOU O SEU NAMORADO, VAMOS CONVERSAR E DE BOA!" e barulhos de trancos, certamente por ele estar agredindo a ela. E a mulher, completamente calada, sem gritar nem extasiar um suspiro. Ngm nem ouviu qual era o tom de voz dela. Vizinhos começaram a sair em suas janelas fatalmente espantando a dupla.
A mulher, depois de um tempo, e pelo barulho que ouvi (estava quase levantando e qdo acordo pra checar confusão na rua, não é pra perder viagem, pq posso solucionar na ignorância, então adiei o máximo minha ida até a janela) a mulher conseguiu fugir e correr.
E o cara foi atrás dela, mas pelo jeito não ia alcançá-la facilmente, então começou a xingar de desgraç@da e FDP. Típico caso em que a mulher, em vez de se envolver c um cara de bem e que a trate como um Homem deve tratar uma mulher, prefere ficar com um possível imb3cil violento e can@lha agressor. Pra depois acontecer o que? As feminazis doentes virem e chamarem TODOS os homens de potenciais es7upradores.

A pergunta que fica é: não seria mais fácil (seguro e viável) optar por NÃO se relacionar com um agressor covarde, mau perdedor e imprestável? No primeiro indício de violência o indivíduo deve ser DENUNCIADO. Seja p polícia, seja relatando agressões à própria família. PEDIR AJUDA. Mas NUNCA ficar calada como uma mula como se parecesse que estivesse gostando daquelas atitudes. Mas o que muitas fazem? Ficam mudas, não relatam isso a ngm, se acovardam, dão chances infinitas aos imprestáveis e algumas até acabam voltando a namorar os vermes.

Relato enviado por leitor

Nenhum comentário :

Postar um comentário