Gerações Y e Z: quem são, como se comportam e o que querem


Primeiramente, saibamos que:
Geração Y: geração da internet, pois o boom das comunicações na grande rede se fortaleceu nesta época = nascidos após 1980.
Geração Z: geração "eletrônica", pois vieram na época em que mais se colocou à disposição do mercado aparelhos eletrônicos (mp3 players, tablets, smartphones, etc.) =  nascidos a partir de 1991, década de 2000 em diante.
Não é regra geral, mas no cotidiano atual o choque de gerações já me fez ver muita coisa curiosa (umas bizarras e outras interessantes) sobre os cidadãos desta faixa etária. Algumas características são mais marcantes nos da geração Z, mas cito abaixo uma lista de comportamentos genéricos. Dependendo da região do país, a intensidade das atitudes são mais tônicas do que outras.
- Além de receberem ajuda, desdenham/ menosprezam: Os YZ são jovens com pressa. Muita pressa! Que os atrapalha fortemente! Eles querem a solução dos problemas rapidamente e não medem tempo para isso. Querem para ontem, se precipitam, palavras saem da boca sem pensar, atingindo amigos, parceiro(a) de relacionamentos e até os próprios pais. Quando recebem ajuda/ orientação de pessoas mais velhas ou mais experientes dizem que já sabiam disso e desdenham dos conselhos e ensinamentos de quem já passou pela fase da precipitação emocional, pois acham que sabem de tudo pelo simples fato de terem acesso à internet ou qualquer outra informação de forma imediata;
- Para as gerações anteriores só haviam os livros para consultar algo: Exatamente! Os YZ sequer sabem disso e têm todas as informações que quiserem para consulta literalmente na palma de suas mãos, pois em gerações passadas, que a internet ainda nem era bem difundida, não se tinha um celular conectado à rede para buscar qualquer coisa no Google, e sim no máximo um cartão da biblioteca, que você tinha de sair da sua casa, pegar o livro lá e se atrasasse a entrega pagava multa!;
- Pagam de fod0es que não precisam de ajuda: Mesmo que você queira ajudar os da geração YZ porque domina algum assunto e tem certeza de que irá auxiliá-los com eficácia, sempre irão te avacalhar em algum momento ou dirão que o que você diz/ aconselha/ orienta não é viável. Na verdade é porque o que você está falando NÃO é o que eles querem ouvir. Por isso dispensam a palavra de gente mais experiente como dispensam papéis de chiclete;
- Egocêntricos e egoístas: Pensam que tudo gira em torno das necessidades deles. Os YZ, se puderem, acabam adaptando algum evento (reunião de família, jogo de futebol com amigos, hora para estudar em grupo, hora para ir à faculdade) ao SEU horário e não o contrário. Dificilmente se colocam na posição dos outros e têm dificuldade extrema para compreender o que as outras pessoas passam, em determinadas situações;
- Vag@bund0s que não aguentam um probleminha no trabalho: Os da geração YZ, de uma forma geral, nunca suportam por muito tempo uma certa pressão profissional por metas. Acabam indo ao extremo de desistirem de suas funções até mesmo num primeiro emprego, alegando que "aquilo não é pra mim" ou que paga-se muito pouco.
Mal sabem as regras que são regidas pelo mercado profissional e ainda mais em tempos de crise econômica. Muitos sequer conseguem adquirir disciplina para cumprir horários (que é o básico que se espera de um empregado) e não admitem começar por cargos muito baixos. São muito poucos o que entendem que é necessário passar por várias etapas no desenvolvimento desta área da vida. São naturalmente moles, preguiçosos, acordam tarde;
- Extremamente habilidosos com novas tecnologias: Um cidadão da geração YZ já nasce praticamente sabendo operar qualquer aparelho eletrônico dos novos tempos tecnológicos. Não encontram a mínima dificuldade para desvendar macetes e tirar o máximo proveito de alguma ferramenta que se tem de ter uma certa experiência anterior para aproveitá-la com eficiência. Os cursos básicos de informática, por exemplo, hoje em dia só são direcionados a crianças e idosos, pois os YZ jamais precisariam de orientação para tal;
- Inconsequentes: YZ são os que menos se preocupam com as consequências de um estilo de vida p0rr4 louca. Sabem repetir sempre o "F0da-se!" e jamais planejam algo a longo prazo. Preocupações com provas da faculdade no fim de ano de matérias que precisam de notas, porque não se dedicaram durante ele (ano) todo? Nada disso. Cabeça fria sempre. E se der, deu, se não der...já sabe: "F0da-se, pois é problema meu". E depois choramingam.
Nesta fase da vida muitos não estão nem aí em pegar o carro do pai para ir à baladinha, porque todos os outros também vão, então os resultados de noitadas, bebedeiras (em alguns casos drogas) são um mero detalhe. Também não ligam de gastar a pouca grana que têm. São consumistas desenfreados. E em relacionamentos, o principal é ir direto a met3ção. Não importa o que vem depois;
- Fracos emocionalmente: Principalmente no âmbito relacionamentos, alguns YZ são 8 e outros 80: uns apegados e carentes demais e outros na pegação geral. Uns pensam que é a morte um término de namoro cometendo idi0tices e até crimes, pois não conseguem discernir entre o que realmente importa e o que é fútil no convívio com o parceiro(a). Outros não ligam a mínima se saem dando por aí ou comendo todas. Para estes o que importa mesmo é "traçar" geral e numa futura oportunidade, quando for preciso seriedade num relacionamento, fatalmente não conseguirão ter, pois não aprenderam o que significa a cumplicidade, algo que nunca teve no seu estilo de vida promíscuo e arriscado;
- Bitolados: Não conhecem o lidar social de frente e alguns têm extrema dificuldade nas interações no círculo de pessoas em que vive, devido ao exagerado uso da tecnologia: fica tentando interagir somente por chats e conversas instantâneas pela internet, correndo riscos de serem vítimas de golpistas ou pessoas com intenções duvidosas;
Se você não identificou nenhum comportamento (mas nenhum mesmo!) desta lista mas está na faixa etária das gerações citadas, considere-se uma exceção. 
Todos aprendem com a vida, porém as novas gerações (os YZ, por exemplo), de uma forma geral (mas não total, ainda bem!) têm tido pais muito mais permissivos e omissos na educação dos filhos "modernos". Então, na era do "pode tudo" isso certamente causará graves consequências no desenvolvimento e "surpresas" quando um cidadão desta geração chegar na fase adulta e conhecer a vida como ela realmente é.

Nenhum comentário :

Postar um comentário