Quero me relacionar/ conviver com você, não com seus colegas









Como o ser humano moderno não está acostumado a viver ilhado e está diariamente recebendo um bombardeio de recursos para a comunicação instantânea com outras pessoas, é comum o fato de que muitos já perderam o verdadeiro sentido e a essência de uma vida a dois quando assumem um relacionamento.

Parece que é obrigatório que haja uma certa "competição" na qual uma pessoa é apresentada a outras, do círculo social da parceira(o) para que este(a) seja avaliado(a) e julgado(a). E depois seu comportamento comentado. Na ausência do referido "réu", obviamente.

Mas é aí que vários problemas se iniciam, quando um casal ainda não se conhece por completo: inveja, mentiras inventadas só para desunir, ciúmes de um lado pelo fato do outro lado dar mais atenção aos amigos, influência direta de "amizades" no cotidiano e uma infinidade de itens que servem como alerta para quem não consegue, ou muitas vezes não tem a competência para se dedicar como deveria em uma relação séria, saudável e tranquila.

Eu citaria alguns comportamentos, mas a lista pode ser bem extensa, então citarei os motivos básicos que podem orientar alguém quando surge aquela dúvida: invisto ou não num relacionamento?

Você NÃO está preparado(a) para um relacionamento quando:

- prefere muito mais sair em grupinhos para beber, dançar e v@di@r madrugada à fora;

- opta por priorizar e se adaptar ao horário daquela sua série favorita na TV em vez de fazer a vontade do parceiro(a) de estar com você naquele momento;

- prefere sempre fazer programas que são muito mais adequados a pessoas solteiras e descompromissadas, os quais não se pode fazer a dois;

- frequenta e adora baladas (sim, mesmo levando o seu "par" a um lugar como esse, problemas poderão ocorrer, pois são lugares 100% favoráveis a flertes a todo segundo, não importando se a pessoa está acompanhada ou não);

- não se adapta e tem dificuldades em compreender que num relacionamento tem de haver uma dedicação diferente, um tempo reservado para vocês se conhecerem e se se combinam realmente e não ter apenas uma companhia para ir até o cinema ver o último filme em cartaz ou num barzinho com mais amigos para jogar conversas (das do tipo que você só tem com seus amigos mais chegados) fora a noite toda;

- prefere qualquer outro programa (mesmo que seja "encher pneu de trem") a frequentar a casa da família do seu parceiro(a) mesmo que seja esporadicamente;

- prefere mil vezes ir a um show, seja de qual artista ou gênero musical for a entender que seu parceiro(a) não está a fim de optar, na maioria das vezes, por atividades que favorecem de forma mais eficaz o descobrir de vocês mesmos (você realmente conhece seu parceiro(a)?;

- opta por sempre comparar os demais parceiros(as) de outros amigos com o seu, em todos os aspectos (e ás vezes, para piorar, ainda questiona porque o seu companheiro(a) não age/ se veste de forma semelhante) a enaltecer as qualidades, mesmo que poucas, de quem está se relacionando com você;

- opta por forçar a barra, insistir e até criar atrito para o seu parceiro(a) ir ou fazer programas que não gosta, mesmo sabendo que sua companhia irá se sentir mal, prejudicado(a) ou constrangido(a);

- comparar seu atual parceiro(a) com os(as) anteriores que você se relacionou, em todos os aspectos;

- não conseguir se desligar completamente de uma pessoa que se relacionou anteriormente.

É claro que deve haver vida social, mas quando você está (oficialmente) com uma pessoa que sempre o coloca em segunda prioridade, é hora de repensar se vale a pena mesmo ser um jogador reserva que nunca entra em campo num time onde só os titulares conquistam os campeonatos.

Um comentário :

  1. Eu perdi a paciência totalmente em relacionamento hetero.
    Quando vejo um casalsinho de mãos dadas na rua ou no shopping eu sinto que não queria aquilo pra mim.
    Fora as desvantagens pro homem de ter uma mulher sugando sua energia.
    Acho que não sou o único desgostoso assim com relacionamentos atuais...

    ResponderExcluir